#acordomeuprato

#acordomeuprato  nasceu a partir de uma linda publicação de um prato colorido de uma mãe. Para quem ainda não sabe eu e a Nutricionista Angélica Ozório Linhares escrevemos um livro que foi lançado no final do ano passado no Congresso de Infância e Adolescência em Salvador. Ele está completando dois meses e temos nos encantado com a repercussão nas redes sociais. Famílias de várias regiões do nosso país estão publicando fotos, vídeos, resenhas em seus canais de youtube, blogs e nos emocionando com o incentivo de que outras famílias também participem. A proposta do Qual a cor do seu prato? vai além de um  livro sobre alimentação infantil, com  incentivos a hábitos saudáveis e escolhas conscientes! Além de conter atividades que podem ser realizadas juntamente com a criança em um clima saudável e de colaboração.

O que estamos fazendo com as nossas vidas em relação as nossas escolhas? E como modelo para os nossos filhos? Desacelera um pouco, observe o que o seu corpo está necessitando e observe suas escolhas.

Participe no Instagram publicando #acordomeuprato com uma foto do seu prato saudável e/ou de suas crianças.

49199552_2344968609068446_8023961677387005952_o.jpg

49389735_2345370479028259_1929681308049473536_n.jpg

 

Mudar: necessidade ou obrigação?

 

Slide1.jpg

 Mudar: necessidade ou obrigação? Por Psic. Raquel Barboza Lhullier

Mudar é algo que você realmente necessita ou é mais um item da sua lista de obrigações?

Sabe aquele pensamento que reside dentro de nós mesmos e que de vez em quando pode aparecer, criando expectativas de uma solução mágica e imediata?

Perceba que ele é apenas um pensamento, não o valorize.

Pode ser que você até consiga atingir objetivos através de novas e imediatas soluções tentadoras, mas os resultados serão transitórios. Se você não modificar seus hábitos mentais, realmente não mudar o paradigma e seguir com os mesmos hábitos a resposta vai ser sempre a mesma.

Pense que existe um outro caminho, o contrário do imediatismo e é nele que você pode definir dentro de você o que você realmente necessita. O contrário de qualquer imposição cultural de padrão de beleza, expectativas alheias ou ideais que você mesmo pode criar dentro da sua lista de obrigações: “tenho que”.

Já temos muitas obrigações e tarefas e que podem ser um tanto pesadas no cotidiano, se emagrecer por exemplo entrar como uma delas a tendência natural é você querer se esquivar pela obrigação com que ela se torna. Uma notícia boa é que persistir devagar e sempre, com calma é um respeito a saúde do seu corpo e suas emoções em equilíbrio, é um treino. Neste caminho surge muito crescimento e descobertas. Além de que você consegue conhecer e perceber as pessoas incríveis que estão ao seu lado e desfrutar os detalhes da vida.

Todos nós nos deparamos com alguns pensamentos sabotadores, muito frequentes, tais como: “hoje eu mereço” (na hora de comer algo nada saudável), “vou dormir mais um pouquinho” ( na hora de acordar para a atividade física) “não vou conseguir” (iniciando algo novo) Eles podem surgir automaticamente em virtude de ativação emocional, como ansiedade, raiva, medo, cansaço, especialmente no começo da mudança de hábito, mas regule suas emoções e cuide sua reação, lembre que é apenas um pensamento ativado pela emoção passageira.

Se você realmente deseja mudar, mude mas verifique o que você realmente necessita. Busque ajuda, cuide de você, permita-se ser cuidado para cuidar dos outros! Observe os seus hábitos! Encare e aceite os fatos e a realidade tal como ela é, negar ou evitar apenas faz tudo piorar com o tempo.

Procure uma atividade física que lhe proporcione prazer, movimente-se! Reorganize a sua rotina alimentar, repense a sua maneira de se alimentar, abra espaço para mais prazer e atenção com equilíbrio. O alimento é algo tão bom e necessário que não pode se tornar um problema ou fazer mal.

A minha meta para o próximo ano? é a mesma que procuro treinar todos os dias e desejo para você:

Pequenas pausas diárias, mais atenção, aceitação e coragem para viver e lidar com o que quer que possa aparecer.

Feliz vida todos os dias.

Psic. Raquel Barboza Lhullier